Resenha do filme “Gigantes de Aço”

2 0

“Gigantes de Aço” é um filme que parece previsível, mas não é. Na história, Charlie Kenton (Hugh Jackman) é um pai ausente, que deve conviver com seu filho de 11 anos, que acabou de perder a mãe.
O ano é 2020 e as lutas entre “humanos” pararam de ser praticadas. Agora o público quer ver violência nas lutas entre robôs. Charlie ganha dinheiro participando de batalhas ilegais entre os autômatos, que se degladiam valendo altas quantias em apostas. Apesar de algum sucesso, o ex-pugilista é muito ganancioso e está devendo muito dinheiro, principalmente para agenciadores de lutas.

Seu filho Max (Dakota Goyo) é o grande personagem carismático do enredo. Tem um gênio forte, entende de eletrônica e desenvolve uma simbiose perfeita com o robô Atom, o qual é resgatado em um ferro velho após seu pai perder uma luta feia com um caríssimo robô japonês, que inclusive, segundo a história, passou pelas “lutas de robôs do Brasil(!)”.

O menino sabe tudo sobre os grandes projetistas destas máquinas lutadoras e é um grande fã das lutas de robôs, Zeus, projetado pelo japonês Tak Mashido (Karl Yune), que parece ser vilão de algum seriado como Cybercops. Este robô é empresariado pela bela Farra Lemcova (Olga Fonda), que logo fica preocupada com o sucesso da máquina controlada por pai e filho.

Com a ajuda da filha do ex-treinador de Charlie, Bailey Tallet (Evangeline Lilly), Max e seu pai restauram Atom, robô originalmente construído para ser sparring, ou seja, feito para apanhar.

Os efeitos especiais são bastante convincentes: os robôs não parecem meros bonecos animatrônicos, mas sim verdadeiras máquinas programadas e controladas para lutar, com direito a óleo escorrendo destes e peças voando, após cada golpe.

O controle das máquinas, desde controles-remotos “tablets” futuristas quanto o modo “sombra”e  Atom imitando os movimentos de quem o comanda (Max e Charlie) são bastante convincentes e plausíveis, tecnicamente falando. É provável que robôs em poucos anos sejam realmente versáteis e maleáveis, a ponto de poderem disputar ferrenhas lutas. Ainda estamos de certa forma na “adolescência” da tecnologia robótica, mas com chips cada vez mais velozes e o desenvolvimento de novas melhorias na computação, o filme é mais uma ficção teoricamente possível.

De certo também é mais uma película que vai agradar não só os fãs do gênero ficção científica, mas os que apreciam uma boa história cativante, com contornos emocionantes e até os fãs de lutas estilo “UFC”.  Shawn Levy como diretor e Steven Spielberg na produção fazem  um trabalho respeitoso.

 

Nota: 8,5

Trailer:
{youtube}6e989qQ4-OI{/youtube}

Happy
Happy
8 %
Sad
Sad
0 %
Excited
Excited
67 %
Sleepy
Sleepy
0 %
Angry
Angry
0 %
Surprise
Surprise
25 %


Comentar via Facebook

Comentário(s)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *