Criança nasce morta e família acusa Hospital de Jacareí de negligência

0 0

Familiares de Érica Chaves de Moraes procuraram o NJ para fazer uma denúncia contra o Hospital São Francisco.

De acordo com eles, Érica estava grávida e pelos exames de ultrassonografia realizados, a criança tinha que nascer até o dia 26 de setembro. Os familiares afirmam que Érica ia até o hospital e era mandava de volta para casa, pois funcionários teriam afirmado que a paciente não estava com dilatação necessária e nem a bolsa havia estourado.

No domingo dia 29, a bolsa estourou às 3h da manhã e ela foi ao hospital novamente. Chegando lá, o médico que estava de plantão teria dito que ela estava somente com dois dedos de dilatação e por isso não quis realizar o parto através de Cesária. “Como era pelo SUS eles queriam fazer parto normal, o médico falou que era pra esperar até a outra médica entrar às 7h e ela faria a cesária caso não tivesse dilatação”, informou Eliana de Moraes, irmã de Érica.

Eliana afirmou que a médica só passou no quarto para ver sua irmã depois das 8h e teria dito que voltaria às 10h para realizar o procedimento. “Depois de um tempo, as enfermeiras viram que a criança não estava bem e correram atrás da médica, isso quase 12h. Fizeram o parto da minha irmã na correria, nem a anestesia pegou e a criança nasceu morta”, disse.

Para a família foi um erro crasso do hospital. “É lamentável, a criança era saudável e estava com mais de 3 kg. Foi negligência total do hospital e queremos que faça justiça”, disse uma prima de Érica, que não quis se identificar.

Hospital– O NJ entrou em contato com o Hospital São Francisco, que nos enviou a seguinte nota: “a paciente Erica Chaves de Moraes internou com bolsa rota, ainda fora de trabalho de parto, com 40 semanas de gestação. Foi monitorizada pela equipe médica e de enfermagem durante todo tempo, como é protocolo do serviço Obstétrico. O exame de cardiotocografia apresentou vitalidade fetal normal. Como a dilatação não evoluiu, seguindo o protocolo médico, a paciente seguiria para o parto cesárea. Enquanto era preparada para a cirurgia, o bebê teve uma perda aguda de vitalidade e por isso foi encaminhada de urgência para a cesárea, e infelizmente foi constatado o óbito fetal. Há várias causas para esta perda da vitalidade súbita do bebê, mas só seria esclarecido com exame de autópsia. Lamentamos muito a perda do bebê, uma fatalidade irreparável, mas podemos afirmar que não houve negligência médica no atendimento”.

Happy
Happy
0 %
Sad
Sad
0 %
Excited
Excited
0 %
Sleepy
Sleepy
0 %
Angry
Angry
0 %
Surprise
Surprise
0 %


Comentar via Facebook

Comentário(s)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.